segunda-feira, 9 de setembro de 2013

ANNETTE FREDSKOV. 366 MARATONAS EM 365 DIAS

E aí, Corredor?!

Superação é a marca registrada de um atleta, em qualquer modalidade esportiva. Em se tratando de um corredor, isso se torna bem claro. Em maior ou menor grau, todos nós que adotamos este esporte com prática temos que nos superar. Ou será que não é isso que acontece todas as semanas com um atleta amador que tem que dividir treinamentos e corridas com vida profissional e o dia a dia corrido dos dias atuais. Enfrentar a solidão das corridas, dos longões, e sempre estar inventando mais em mais, mesmo com tantas adversidades ou "loucuras", como dizem os que não praticam nosso prazeroso esporte.

Mas existem pessoas ímpares, em que superar é pouco para significar a transformação que elas conseguem, tendo a corrida como protagonista e responsável. Exemplos? Fauja Singh, indiano que em outubro de 2011 tornou-se o homem mais velho a terminar uma maratona, com 100 anos. Ou Abebe Bikila, o famoso maratonista etíope que conquistou a Maratona da Olímpiada de Roma, correndo os mais de 42 Km descalço. Ou ainda Dean Karnazes, americano que correu 563 Km sem parar e ainda, 50 maratonas em 50 dias.

Pois bem, eu realmente não paro de me surpreender com estes exemplos. Em um momento em que tento superar minha primeira lesão nas corridas, recebo estímulos de histórias heróicas, como o da dinamarquesa Annette Fredskov. Veja só que história.

Annette, aos 41 anos, foi diagnosticada como esclerose múltipla, doença inflamatória que não tem cura e extremamente invasiva. Atinge as fibras nervosas responsáveis pela transmissão de comandos do cérebro a várias partes do corpo, provocando um descontrole interno generalizado.

Mas ela não se abateu. Pelo contrário. Foi na verdade acometida de uma força imensa. Annette resolveu adotar a corrida de rua para superar a doença, e levou a prática ao extremo. A dinamarquesa completou, em um ano, uma maratona por dia, Na verdade, em 365 dias, ela fez 366 maratonas. No último dia do ano, ela fez duas maratonas.

Foi há três anos que Annette resolveu enfrentar o desafio para promover a luta contra a doença e inspirar outras pessoas a lutarem por aquilo que acreditam, conforme ela afirma em seu site oficial “Há três anos, descobri que sofria de esclerose múltipla. Hoje, sem usar nenhum remédio, não tenho nenhum sintoma da doença nem qualquer problema relacionado a ela. Acredito que correr maratonas é um fator importante para eu estar saudável hoje. Além disso, descobri novas prioridades, que me proporcionam melhor qualidade de vida”, disse a incrível corredora.

É ou não para criar motivação em qualquer um? 

Boas passadas.

Fontes: Blog + Corrida de Rodolfo Lucena / msn Esportes

2 comentários:

ivana. disse...

São estes exemplos de superação que devemos divulgar e compartilhar. Obrigada por nos informar desta bela história, amigo. Beijo, boa semana.

Caique (Carlos Henrique) disse...

Muito legal mesmo, Ivana ! A corrida realmente é transformadora. Outros esportes conseguem isso também, mas na corrida a superação acaba sendo maior.

Boas passadas!!!!