segunda-feira, 4 de novembro de 2013

A MAGIA DA GOLDEN FOUR ASICS

E aí, Corredor?!

Qual a magia da Golden Four Asics?

A prova, que começou a ser organizada à partir de 2011 pela fabricante esportiva consegue envolver cada vez mais atletas nos quatro estados por que passa. Sem contar aqueles que curtem as 4 etapas do ano, viajando a cada uma das cidades onde ela ocorre.

A Golden Four é a Meia Maratona mais desejada do Brasil. Talvez pela sua ótima organização, ou pelo kit, sempre de bom gosto, ou pelos percursos, "conjurados" e escolhidos para serem os mais rápidos 21 Km entre todas as provas da categoria do Brasil.

Este ano não pude participar da prova de Brasília. Fiz no Rio de Janeiro, mas, pelo fato da capital federal ser a minha casa, gosto de correr a prova aqui. Mesmo assim, pude vivenciar, na emoção dos relatos dos amigos, o quanto a Golden Four exerce um fascínio imenso nos corredores.

A superação é real! Todo o atleta, amador ou não, se bem preparado e com vontade de superar marcas, consegue isso nos percursos da escolhidos pelos organizadores nas cidades por onde ele passa.

Em Brasília, cerca de 70% do percurso é de descida. A única grande subida é o retorno do Eixão Sul, um trecho que pega mais pela grande distância - cerca de 6K - do que pela intensidade. No mais, é "descer a bota".

E no caminho, os atletas visitam praticamente todos os principais pontos turísticos da cidade. Vou citar alguns, na ordem de quem está correndo: Memorial JK, Estádio Nacional, Torre de TV, Museu da República, Teatro Nacional, Catedral, Esplanada dos Ministérios, Palácio do Buriti, Congresso Nacional, Palácio da Justiça, Praça dos 3 Poderes (com o Palácio do Supremo Tribunal Federal, o Panteão e o Palácio do Planalto, além do mastro da bandeira e o monumento aos candangos). A Corrida ainda termina na Concha Acústica, em frente ao Lago Paranoá, outro ponto turístico da capital federal.

Com tantos atrativos, terminar a prova revitalizado e com um tempo fantástico é muito normal. Claro que, como mencionei antes, para o que estão com essa disposição e bem preparados.

E foi assim que pude acompanhar os vários amigos falando com alegria da suas corridas. Tempos, na maioria, abaixo das 2h. Vi relatos de 1h33, 1h44, 1h47, 1h48, 1h52 . . . a maioria quebrando seus recordes "mundiais" pessoais (como diz uma amiga minha). 

Mas o mais maneiro em todos os relatos é a alegria da superação, de ter conseguido correr bem os 21 Km da prova. Amigos que, mesmo não superando seus tempos pessoais, superaram a distância, vencendo os 21K e chegando inteiros, só com um imenso sorriso estampado na cara.

A emoção já começa na retirada do kit, onde os atletas podem tirar fotos na frente de um painel que tem um relógio com o tempo estimado de prova registrado. Sem contar que esse tempo pode ser registrado na camisa do kit.

É uma corrida show mesmo! Ano passado, um amigo resolveu fazer as 4 etapas do circuito Golden Four, que passou por Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. E na prova final, na sua cidade natal, ele não esqueceu de tirar uma foto com as medalhas das quatro conquistas.

A Golden Four mexe com a nossa alma corredora, fazendo a gente querer até mais etapas, querendo ter mais chances de superar marcas, distâncias, alegrias pessoais.

E que venha o circuito de 2014 com toda a sua magia !

Boas passadas.

4 comentários:

Luiz Souza disse...

Parabéns por incentivar a galera e demonstrar o que é e signifca a G4.
Sucesso Carlos

Caique disse...

Valeu Luiz! A turma realmente se superou. Nos resultados e na emoção.
Boas passadas.

Danilo Confessor disse...

Grande Caique, faz tempo que não dou uma passadinha para deixar um comentário aqui no seu espaço. Desculpe, mas na correria tenho lido mais pelo celular, nele é ruim de postar comentários.
Pena você não poder participar da G4, é realmente uma prova mágica. Sou muito fã do circuito e pretendo correr mais etapas ano que vem.
Tomei a liberdade de link esse seu post lá no meu relato sobre a prova, que aliás ficou enorme.

Abraços e bons treinos amigo

Caique Responde disse...

Fala Danilo! Realmente faz tempo, amigo. Pois é, este ano a lesão me pegou mas ano que vem pretendo tirar o atraso, com prudência, é claro.
Boas passadas!