segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

CORRIDA DE REIS 2014. MAIOR CORRIDA DE RUA DE BRASÍLIA

16 mil inscritos, recorde em corridas de rua de Brasília
E aí, Corredor?!

16 mil inscritos, mas cerca de 100 corredores de elite (quenianos e brasileiros, entre outros) e cerca de 4 mil "pipocas". Com estas estatísticas, a Corrida de Reis se firma e se consagra, na sua 44ª edição, como a maior corrida de rua de Brasília.

A procura pelas inscrições movimenta o início de ano dos corredores do DF e das cidades próximas de Goiás e Minas, principalmente. No primeiro dia fora colocadas a disposição 12 mil vagas, que foram preenchidas em menos de um dia. Depois de uma semana, a organização resolveu colocar mais 4 mil vagas a disposição, que foram preenchidas em cerca de 40 minutos.

É inquestionavelmente um sucesso e, com este quantitativo de participantes, se considerarmos apenas os oficialmente inscritos - 16 mil - temos a corrida com recorde de inscritos, superando de longe corridas chiques e "queridinhas" da galera, como Circuito das Estações e Golden 4.

Eu era um dos 16 mil inscritos. Consegui minha inscrição na primeira leva. Decidi, naquele momento, correr os 6K - o atleta podia escolher entre os 6 e os 10 Km de distância - mas no dia me empolguei e resolvi encarar os 10 Km, a distância maior e mais desafiadora.

Organização - apesar de ser uma prova com inscrição gratuita - bastava levar 5 kg de um alimento não perecível - a Corrida de Reis tem uma organização que não deve a nenhuma prova cara. Foram três dias para pegar o Kit e o Chip, descartável, é retirado no mesmo dia, junto com o número. Tudo bem, a camisa deste ano não estava lá com um material maneiro, mas, oras, era de graça. E ainda tinha um squeeze. 

Na entrega, tranquilidade total. Entre deixar os alimentos e pegar o kit devo ter levado uns 5 minutos. Muito rápido e prático.

No dia da prova, a largada foi realizada me 4 pelotões - Elite, portadores de necessidades especiais, 10 Km e, por fim, 6 Km. Para largar, tranquilo, a não ser pela "multidão" de corredores. Mas a pista do percurso era ampla, com todas as seis faixas do Eixo Monumental reservadas apenas para os corredores. Pelo menos até a quebra entre os 6K e os 10K. Para galera dos 10K, em menor quantidade, no trecho da Esplanada dos Ministérios, 4 faixas foram reservadas, um bom número.

Tivemos 3 pontos de Água para os 10K e creio que 2 para os 6K, o suficiente. O único problemas esta na chegada. Pelo menos na hora que passei, não faltou água para ninguém, mesmo com o "mar" de copinhos esparramados pelo asfalto.

Na chegada o único problema, que a organização, que tem parte da culpa no processo, precisa resolver. Entre o pessoal dos 6K, muitos caminhantes, que fazem esta caminhada em bloco, ficando 3 ou até 5 lado a lado conversando enquanto anda até a chegada. Como os corredores dos 10K, que geralmente estão mais focados em correr e fazer tempo, se encontram, justamente na maior subida, com essa galera, nos 2 Km finais fica ruim de correr, por que a turma caminhante dos 6K atrapalha demais. De repente, uma solução e ter percursos diferentes ou a turma dos 6K largar antes da dos 10K. Enfim, precisa mudar isso.

Na entrega das medalhas um certo tumulto, mas era muita gente. Tinha umas 10 baias com gente entregando medalha e kit de reposição, mas todos com filas enormes. Só que, repito, era muita gente mesmo. Só que, pelo menos na minha vez, a fila andava.

Uma outra reclamação foi feita por uma amiga minha. Ela correu com o relógio com GPS dela e conferiu o tempo final informado pela organização e o do relógio, que não bateram. Para quem gosta de ver o tempo, uma chateação.

Percurso - Como mencionei, eram duas distâncias - 6 e 10K. Foram 10 mil atletas nos 6 Km e 6 mil nos 10 Km. A largada de ambos era em frente ao Estádio Nacional e começava com uma subidinha até o primeiro retorno. Daí, descida até o Congresso Nacional, na Esplanada dos Ministérios, para depois subirmos cerca de 5 Km, com trechos pesados como o subidão da rodoviária. 

Para a turma dos 6K, a largada era um pouquinho mais abaixo, no resto, igual, com a descida indo até antes da rodoviária e depois, acredito, cerca de 3K de subida até a chegada, que de ambos os percursos era em frente ao Ginásio Nilson Nelson.

Amigos corredores, sempre um bom motivo para
continuar neste esporte
Minha corrida - Estava receoso por conta da minha lesão, o esporão calcâneo, que me persegue desde julho de 2013 e não sarou totalmente, por isso e pelo tempo de inatividade, resolvi me inscrever nos 6K. Mas, na hora da prova, acabei correndo os 10 Km mesmo, sendo desclassificado na tomada de tempo.

Procurei cadenciar a passada, buscando a pisada mais confortável possível, que conseguia ao alargar a passada. Na subida, continuei no mesmo ritmo, menos no subidão da rodoviária, que resolvi caminhar rápido por uns 300 metros para não forçar muito o calcanhar. Depois, até a chegada, correria. E cheguei bem, inteiro, sobrando. Gostei do meu desempenho, mesmo não fazendo um tempo maravilhoso - 55min16 - mas feliz por completar correndo bem e em menos de 1h.

Gostei da minha prova. Curti cada passada, já pensando no grande desafio do primeiro semestre, a meia maratona de Nova York. corrida maneiro que vou fazer como Aline em março. Queria estudar o melhor jeito de correr e encontrei. Fiquei feliz, principalmente por que o psicológico foi "de boa". 

Correr é uma terapia e tanto para mim. E estava com saudade de correr mais que 5 Km, distância que tornou-se obrigatórias para mim no segundo semestre. Foi muito bom.

Agora é curtir e esperar o próximo desafio de 2014.

Boas passadas!  

3 comentários:

ivana. disse...

Parabéns, amigo ! Meu carinho, boa semana.

Sérgio disse...

Prova com tanta gente assim fica difícil de correr.

Caique (Carlos Henrique) disse...

Ivana
Valeu pelas congratulações. Foi legal mesmo voltar, mas ainda sinto um pouco a dor. Mas, vamos que vamos!
Sérgio, o mais difícil foi a largada e a chegada, quando a galera dos 10k, que geralmente está afim de correr, encontra a dos 6k, mas aqueles que foram para caminhar. Complica tudo.
Boas passadas!