domingo, 22 de julho de 2012

TRAVESSIA DO EIXÃO, DESAFIO SUPERADO

Eixão, desafio vencido!
E aí, Corredor?!

Mais um desafio superado! A "Travessia do Eixão", meta que coloquei para vencer ano passado e que tentei, por duas vezes, finalmente foi conquistada. E foi hoje, domingo, 23 de julho.

O Eixão, na verdade Eixo Rodoviário, é uma grande avenida de Brasília, com seis faixas, que corta as duas asas da cidade - sul e norte. Aos domingos e feriados ela é fechada para lazer. E lá se encontram rollers, skatistas, ciclistas, caminhantes e, é claro, corredores.

A avenida é palco de algumas provas. Já corri lá três Meias Maratonas Internacionais da Caixa, Corrida do Advogado, dos Correios, 10 Milhas da Mizuno e da Puma, Maratona de Revezamento Pão de Açúcar, Volta do Lago Caixa. Apesar de ser um excelente espaço para realização de provas, hoje ela foi deixada meio de lado para a Esplanada dos Ministérios, onde acontecem grande parte corridas em Brasília.

Talvez um dos motivos seja a dificuldade do percurso. O Eixão, definitivamente, não é para os fracos. Nele, basicamente, ou você sobe ou desce. Não tem refresco mesmo. No Eixo sul, uma grande subida de praticamente 6 km, ou seja, toda a avenida. No Eixo Norte, subidas e descidas intensas.

Some-se a isso a paisagem monótona, as grandes retas e o imenso horizonte que possibilita que a gente, olhando para frente, consiga enxergar toda a dificuldade do percurso. O Eixão nos testa fisicamente e psicologicamente.

Mas hoje ele não foi páreo para minha determinação. Bem preparado, condicionamento adquirido nos treinos para a Maratona do Rio, sabia que poderia vencer este desafio, que me provocou ano passado. E consegui! 

Contei no trajeto com a grande parceria do meu amigo corredor Tião, que encarou o desafio junto comigo. E, é claro, correr com companhia é muito melhor. E ainda, no caminho encontramos Susete, nossa parceira maratonista, e depois Sergio, Grace e Thaís, que fizeram os 21k no Rio e hoje já haviam corrido uma prova de 2 km.

Saímos às 7h da manhã da altura da quadra 102/103 sul. Corremos rumo ao Eixo Norte, uma estratégia, já que as subidas do lado norte são mais intensas que as do sul. Assim, conseguimos encarar a primeira etapa sem problemas. Quando estávamos voltando e íamos passar pelo Buraco do Tatu, viaduto que divide os dois eixos, fomos barrados pela polícia, já que estavam limpando o Buraco. Tivemos que correr pela rodoviária. Nada demais, já que era domingo, dia de trânsito tranquilo.

E corremos, descendo o Eixo sul. Na altura da quadra 110, a gente avista um retão onde dá para ver tudo o que temos que correr. E isso afeta o psicológico demais, por que parece que a gente corre, corre, corre e não chega nunca. Foi complicado. 

E na volta, só subida. O Eixo sul se mostrou tão complicado quanto o norte por que ele tem uma subida mais branda, mas grande demais.  A gente sobe sem parar. Mas conseguimos superar e vencer o desafio, e bem, com folga. Claro que correr aqui foi até mais complicado que no Rio, mesmo lá a distância ter sido maior. Mas lá era uma prova, onde a adrenalina ajuda.

Fora isso, tem a questão do percurso do Eixão ser de subidas, a altitude, a secura. Na verdade, hoje os deuses olímpicos nos ajudaram por que o clima esta ameno, e chegamos a pegar até uma chuvinha curta. Ou seja, a secura não foi problema. No fim, terminamos o desafio em 2h36, pace médio de 5:32/km, distância de 28,3 km (achava que seria de 32k) de cone a cone*.
(* A avenida, nos domingos e feriados, é fechada com cones do Detran que delimitam até onde os carros podem seguir)

Enfim, desafio superado!





Boas passadas.

3 comentários:

Danilo Confessor disse...

Que beleza de treino Caique, Parabéns pelo desafio vencido.

Me diz uma coisa, como vocês fazem para se hidratar nestes treinos? Vocês levam aquelas mochilas de hidratação?

Abraços,

Danilo Confessor
Blog Confissões de um Confessor

Luiz Souza disse...

Show de treino Caique.
REalmene, pela sua descrição, não é só a distância que desafia, mas toda a construção do percurso.
Parabéns

Corridas do Luizz

Caique (Carlos Henrique) disse...

Fala aí, meus amigos.

Bom, Danilo, existem um cintos próprios, que tem uma base para garrafa de hidratação. Uso um que fica bem fixo na cintura. Mas no Eixão tem alguns vendedores também. Só que vale a pena o cinto, parceiro. Eles ajudam bastante.

Luiz, meu amigo, este desafio eu pensei em 2011, quando morava na asa norte. E ano passado tentei 2 vezes vencer mas não consegui. Este ano, com o treino para a maratona, ficou menos complicado.

Grande abraço, amigos, e desculpe a demora na resposta.

Boas passadas