segunda-feira, 11 de junho de 2012

O MILIONÁRIO MUNDO DAS CORRIDAS

E aí, Corredor?!

Quando a gente começa a correr, nossa primeira e única preocupação é a de ter um tênis, que nem sempre obedece às nossas necessidades reais, como tipo de pisada ou leveza.

Mas o tempo passa, a gente vai se envolvendo e um esporte tido como o de prática mais barata pode se tornar tão caro quanto qualquer outro.

O jornal Correio Braziliense, o de maior circulação em Brasília, trouxe uma matéria interessante que aborda bem este assunto. Voltada especificamente para o mercado da cidade, a reportagem traz o quão milionário se tornou o mercado das corridas na capital federal.

Vamos ver por que?
  1. Inscrição em corridas - em Brasília vai de R$ 40 a R$ 80. E todo o final de semana tem uma, quando não mais de uma.
  2. Acessórios - depois do básico tênis e de tomar gosto pela prática, outros acessórios passam a ser necessários, nem que por puro modismo. Na verdade, todos importantes, mas cujos preços variam. Um boné pode custar de R$ 35 a R$ 60. O óculos custa no mínimo R$ 300.
  3. Personal - as assessorias esportivas específicas para corrida de rua triplicaram. E o custo delas vai de R$ 100 a R$ 250 por mês.
  4. Roupas - o gasto médio de um conjunto de short e camiseta varia de R$ 150 a R$ 350. 
  5. Frequencímetro - equipamento que se tornou indispensável, não saem por menos que R$ 200 e os mais avançados podem custar mais de R$ 2 mil.
  6. Bloqueador solar - um dos mais importantes itens, afinal, a maioria das corridas acontece de dia. O preço pode ir de R$ 25 a R$ 75.
  7. Tênis - sem eles não dá para correr, apesar da onda dos pés descalços. O preço vai de R$ 200 a R$ 800.
E ainda tem o nutricionista para uma alimentação controlada, a academia para fortalecimento muscular, as viagens pelas corridas no Brasil e no exterior com os amigos corredores, a MP3 . . . 

Não é a toa que o mercado da corrida de rua em Brasília, considerado por muito o segundo maior do país perdendo apenas para São Paulo, movimenta nada mais que R$ 26 milhões por ano.

É ou não é um excelente negócio?

Mas o mais legal deste nosso esporte é que ele continua sendo democrático e barato, para todas as classes, cresdos, cor de pele, sexo, idade. Depende de cada um o quanto ele quer gastar. O mais importante a gente já tem: nossas pernas.

Boas passadas.

Fonte: Jornal Correio Braziliense - edição de domingo (10 de junho)

2 comentários:

Gustavo disse...

Pois é amigo é dificil correr com os valores das corridas .. e tudo mais .. mas a gente tá sem desistir e correndo sempre ..
Abração

Caique (Carlos Henrique) disse...

Gustavo
o negócio é inovar! Estou pensando em juntar a galera uma vez por mês e fazer longões pela cidade no 2º semestre. Vamos ver.
Boas passadas e grande abraço.