sexta-feira, 1 de abril de 2011

CORRENDO, MAS COM PRAZER

E aí, corredor?!

Quando recebo a Revista O2 em casa, a qual sou assinante, a primeira seção que procuro é o editorial do treinador físico Nuno Cobra. São editoriais que me ensinam muito e transmitem exatamente aquilo que procuro na prática da corrida que, resumidamente, é o prazer.

O prazer de praticar um esporte que me traz satisfação, que me proporciona ganhos sem grandes sacrifícios, seja estes físicos ou mentais. O prazer que se traduz na vontade que tenho até hoje de querer calçar um tênis e sair pelas ruas da minha cidade, sozinho ou acompanhado, para dar minhas deliciosas passadas, que tanto representam para mim hoje em dia.

Nunca esperei que fosse gostar de correr, já mencionei isso em mais de um post aqui do E AÍ CORREDOR. Na adolescência, detestava a corrida na aula de Educação Física. De repente, já adulto, me vejo totalmente conquistado pelo esporte. Já não consigo me imaginar sem correr. É para mim uma ação vital, necessária, importante. Me mantém ativo, vivo e, ainda por cima, com saúde.

E o que me conquistou neste esporte, além da facilidade de praticá-lo - afinal, não precisamos de grandes infra-estruturas nem sequer de outra pessoa para poder sair por aí correndo - foi que a única pessoa que preciso superar a cada treino ou prova sou eu mesmo. Minha competição é pessoal, não com outro atleta. A vida de cada corredor, pelo menos o amador, é superar suas marcas, sejam elas de tempo ou de distância. Os seus objetivos pessoais.

Nuno Cobra ensina que é o importante é gostar do que está fazendo, correr pelo prazer, sem fazer grandes sacrifícios, respeitando sempre os limites do seu corpo, para assim poder correr por muito mais tempo e cada vez melhor, revertendo toda o esforço em resultados positivos para o corpo como um todo - física e mentalmente.

Não sou um corredor "top" nem na minha equipe. Prefiro poder dar o máximo que posso, e não o máximo que o meu corpo poderia aguentar e isso faz com que eu freie meus impulsos de querer forçar um pouco mais, acompanhar colegas mais fortes. E mesmo assim percebo uma evolução no meu condicionamento, mesmo que, sob alguns aspectos, ela não seja tão transparente.

Meus resultados não são de causar inveja: em pouco mais de 4 anos de prática, tenho no eu currículo 107 corridas, entre oficiais e não oficiais; já corri várias provas de 5k e outras tantas de 10k; meu melhor tempo nos 5k foi de 23min e nos 10k de 45min; corri cerca de 4 meias maratonas, sendo 2 no Rio de Janeiro e 2 em Brasília; corri provas de 16k (10 Milhas da Mizuno) e 18k(Volta da Pampulha); fiz uma grande Corrida Sem Compromisso, treino para a Maratona, com distância de 33k; fiz muitas provas de revezamento; e tenho uma Maratona, que fiz com o tempão de 4h11min.

Mas minha grande vitória mesmo é justamente estar há mais de 4 anos praticando regularmente um esporte, ainda com vontade, com dedicação e regularidade, sem apresentar nenhuma grave lesão que me fizesse parar. Isso é o meu troféu, imaginário e pessoal.

Como consegui isso? Respeitando-me. Respeitando os limites de meu corpo, que só a gente mesmo sabe qual é. Não tem conselho, dica, treino, especialista, treinador, ninguém que possa nos orientar neste quesito. O limite é nosso e só a gente sabe até onde podemos ir. E isso pensando também no futuro, na permanência no esporte.

Isso tem que ser o nosso mote para nossa prática esportiva, meus amigos. Respeitar-se. Saiba seus limites e até onde pode chegar, sem sacrifícios excessivos. Goste do que está fazendo, do esporte que está praticando para que ele só lhe traga benefícios, para que ele lhe dê a endorfina necessária para "desopilar" de todo o estresse da vida moderna e trazer saúde para o corpo e a mente.

Corra do que não te agrada. Faça o que lhe dá alegria, lhe dá prazer. 

Boas passadas.

OBS.: Nuno Cobra é treinador físico e mental e autor do best-seller "A Semente da Vitória", além de assinar a editoria "Chegada" da Revista O2.

2 comentários:

blogdakatiamaia disse...

vi o link do seu blog na timeline da BEl (Isabel Cristina). Como era sobre corrida, e eu tb descobri essa paixão pela corrida, vim correndo conferir. Faço minhas as suas palavras. Tb adoro correr e o que mais gosto nesse esporte é que não preciso provar nada para ninguém, mas apenas para mim mesma.
///~..~\\\

Caique (Carlos Henrique) disse...

E aí, corredora?!

Pois é, correr é algo mais. Eu me apaixonei e faço de tudo para me manter no esporte. É ótimo saber que vc está nessa também. A gente se encontra nas pistas então.

Abraço e Boas Passadas.